Facilitador e Instrutor. Palestrante, se preciso for…

Posts marcados ‘comunicação’

Oficina de Comunicação Anadarko Petroleum

Projeto: Oficina de Comunicação / Processos de Comunicação

Cliente: Anadarko Petroleum Corporation – Brasil

Objetivos do Projeto:

  • Propiciar uma discussão ampla que permita aos participantes dar suas contribuições na melhoria da comunicação interna;
  • Instrumentalizar o participante a incrementar os processos de comunicação nas atividades em que atua;
  • Nivelar o entendimento acerca da comunicação interna;
  • Elaborar plano de ação para facilitar o fluxo da comunicação corporativa.

Desafio: Promover a sensibilização e reflexão acerca dos problemas internos na comunicação organizacional.

Metodologia Aplicada:

  • Exposição teórica e de exemplos práticos;
  • Elaboração do Diagrama de causa e efeito (Ishikawa) para identificar e analisar todas as possíveis causas que impedem que o efeito desejado seja alcançado;
  • Elaboração do plano de ação usando 5W2H.

Resultados: Plano de ação para melhoria dos processos de comunicação.

Produtos do Projeto: Workshop “Oficina de Comunicação” com 8 h de duração.

Participantes: CEO Brasil e diretoria.

A Anadarko Petroleum é uma empresa com grande atuação mundial na área de exploração petrolífera, que conta com uma equipe de médio porte no RJ, em constante contato com a matriz nos EUA. Como toda empresa que opera no frenético mercado do “ouro negro”, a Anadarko possui uma exigência de comunicação ágil e assertiva, o que nem sempre ocorre.

Este projeto foi muito prazeroso de ser elaborado e aplicado pois não é sempre que tive a chance de reunir uma diretoria de alto nível e um CEO para tratar de comunicação, sendo assim, me esmerei para criar um workshop prático, que fosse direto a Questão Crítica do Negócio, utilizando técnicas de levantamento de dados como Diagrama de Ishikawae  Método TURIB (utilizado para fazer uma avaliação das diversas causas de um problema, a fim de identificar a(s) mais relevante(s)). O resultado foi bastante satisfatório,com os participantes elaborando um plano de ação para trabalhar as principais oportunidades de comunicação.

Fundação de Amparo à Pesquisa do Tocantins recebe treinamento da FAPESP

A Diretora Técnica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Tocantins, Vilma Perini, e a Diretora de Administração e FInanças, Elizângela Bandeira, participaram, no período de 05 a 08 de dezembro, em São Paulo, do treinamento sobre “Escritórios de Apoio Institucional a Pesquisadores”realizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), iniciativa que surgiu de uma demanda da comunidade científica. De acordo com a instituição, os pesquisadores alegavam ter dificuldades, principalmente, para elaborar e acompanhar o processo administrativo das propostas e ainda os procedimentos com as prestações de contas.

Com o objetivo de treinar equipes para oferecer apoio aos pesquisadores das universidades nas atividades administrativas que envolvam projetos de pesquisas, a FAPESP capacitou as diretoras da Fundação de Amparo à Pesquisa do Tocantins a fim de proporcionar melhor atendimento ao pesquisador. O treinamento atuou na orientação dos processos de compra e uso de recursos, execução do controle financeiro, auditoria, informação e comunicação, e realização da prestação de contas. A iniciativa visa permitir aos docentes maior dedicação ao desenvolvimento de pesquisas, auxílio aos orientandos e elaboração de trabalhos de divulgação científica.

“O treinamento foi extremamente proveitoso e possibilitou o aprendizado em diversas áreas tais como: concessão de bolsas diversas, termo de outorga, auxílio à pesquisa, publicações, importação e exportação, enfim, todo tipo de informações inerentes ao bom funcionamento da Fundação e ainda apoio aos pesquisadores nessas atividades administrativas”, explicou Vilma Perini.

Fonte: http://www.ogirassol.com.br

Nova pós-graduação do IGEC – Jornalismo Econômico

O IGEC acaba de lançar sua nova pós-graduação, Jornalismo Econômico.

O Programa de Pós-Graduação (Lato Sensu) em Jornalismo Econômico foi elaborado a partir da demanda do mercado por profissionais com conhecimento específico e experiência prática, principalmente diante da perspectiva de fortes investimentos estrangeiros no Brasil e, especialmente, no Rio de Janeiro nos próximos anos.

A cidade do Rio abrigará grandes eventos esportivos e o Estado desponta com potencial de forte crescimento econômico, com a atração de novas empresas em setores importantes, como petróleo e indústria automobilística, movimentando o mercado de jornalismo econômico e de comunicação empresarial.

O curso aborda todas as atividades ligadas ao jornalismo econômico: jornal e revista, televisão, internet, agências de notícias e assessoria de imprensa. A prioridade é a parte prática, com ênfase no cotidiano do jornalista econômico.

A pós-graduação em Jornalismo Econômico tem ainda disciplinas que proporcionam um maior conhecimento sobre a economia brasileira e mundial, em seus aspectos mais relevantes para a cobertura diária de notícias econômicas.

O objetivo é formar o aluno especialista em comunicação na área de economia.

Para conhecer o curso, clique aqui

Capacitação de pessoas é a base para reposicionamento da Braskarne


A qualificação dos trabalhadores tem sido o insumo fundamental para o sucesso do reposicionamento de mercado do terminal portuário da Braskarne, em Itajaí. Especializado em cargas frigorificadas, congeladas em câmera frigorífica, o terminal percebeu que, para sobreviver, precisava ampliar o escopo de atividades. A virada começou há dois anos, mas a grande dificuldade foi a especialização das pessoas no antigo negócio. Hoje, além dos produtos congelados, o terminal armazena uma diversidade de mercadorias de carga seca, incluindo automóveis, lanchas, brinquedos e roupas.
A solução veio com o programa Navegando pelo Negócio Braskarne, desenvolvido em parceria com o Senai de Itajaí, no âmbito do Programa Senai de Logística. Trata-se de um conjunto de cursos de qualificação e aperfeiçoamento, desenvolvido desde o final de 2010 e que em um ano deve treinar 420 profissionais da empresa. Os cursos são de comunicação, informática, matemática básica, conferente, vistoriador de contêiner, peação e despeação (a forma como a carga é embarcada e desembarcada) e ferramentas da qualidade. São cursos intensivos, de 20 horas e totalizam 14 turmas.
A coordenadora de Recursos Humanos da Braskarne, Jussara Antonievicz, salienta que o programa tem se mostrado “essencial para a sobrevivência do negócio. As pessoas estão respondendo muito bem ao treinamento. Melhorou na hora de fazer um e-mail, na hora de calcular onde colocar uma carga dentro do armazém. Estamos vendo um resultando muito interessante para o nosso negócio”.
Jussara observa que o modelo de treinamento também é determinante para o sucesso. “Os cursos foram planejados em conjunto, para atender as necessidades específicas da empresa”, afirma. Além disso, ela ressalta que os professores “são muito qualificados e trazem o treinamento para a realidade da empresa. Os casos que acontece são trabalhados em sala”.
Positivo para a empresa, o programa revela-se positivo também para os funcionários. “Observamos o desenvolvimento de cada indivíduo, como profissional e como ser humano. É importante para o negócio e para as pessoas”. Especialista em gestão de pessoas, Jussara afirma que a qualificação é o caminho para que as empresas alcancem melhores padrões de competitividade.
Coordenado pela unidade de Itajaí e desenvolvido em parceria com o Instituto de Fluxos de Materiais da Sociedade Fraunhofer da Alemanha, o Programa Senai de Logística consiste em um conjunto de serviços, de consultoria e educação profissional, que permitem melhorias no processo produtivo, com o aumento da produtividade e da competitividade. São buscadas soluções que atendem necessidades específicas de cada empresa. Entre os trabalhos já desenvolvidos, estão o mapeamento de todos os processos de um centro de distribuição, que resultou no layout final das operações, ou programas de treinamento, como este desenvolvido na Braskarne.

Fonte: http://www.folhablu.com.br

Indústria promove treinamento de seus colaboradores e distribuidores

Treinamento sobre Farmacovigilância coloca o Laboratório Teuto, mais uma vez, à frente no atendimento ao cliente.

Com a preocupação de manter a qualidade e garantir a segurança dos medicamentos fabricados pelo Laboratório Teuto, a partir de 2011, a indústria proporcionará treinamentos de capacitação em Farmacovigilância para seus colaboradores e parceiros. A intenção é, através deles, proporcionar melhor preparação dos profissionais que cuidam dos medicamentos tanto interna, como externamente, garantindo total captação de informações relacionadas à segurança dos mesmos no mercado.

A Farmacovigilância é o trabalho de monitoramento dos medicamentos que já estão sendo comercializados quanto à sua segurança de uso. As suas ações são realizadas de forma compartilhada pelas vigilâncias sanitárias dos estados, municípios, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e os fabricantes de medicamentos. Com a modificação da legislação feita pela agência reguladora, os medicamentos devem ser monitorados pelos fabricantes de forma específica, buscando detectar e prever possíveis riscos de qualquer efeito danoso aos usuários dos produtos.

Para garantir total segurança de seus produtos, o Laboratório Teuto está se adequando à nova regra, buscando a capacitação de sua equipe e seus parceiros de negócios. “Neste primeiro momento estamos montando estratégias para que o treinamento abranja todos os colaboradores, distribuidores e força de venda do Laboratório”, explica Janaína A. Moscatto, responsável pela área de Farmacovigilância da indústria. “É importante que todo o departamento comercial do Teuto receba o treinamento, com ênfase nos que têm contato direto com o cliente, por isso será priorizada a nossa força de vendas. O treinamento desses profissionais é essencial para que a o curso receba a mais rápida repercussão com o cliente”, complementa Janaina.

Para o diretor responsável pela comunicação do laboratório, Ítalo Melo, proporcionar esse curso é muito importante para estreitar o relacionamento com os distribuidores já que acredita que levar conhecimento e informação é a melhor forma de se aproximar dos parceiros. Ítalo ainda explica que “mais importante ainda, que eles tenham conhecimento sobre farmacovigilância para que possamos continuar produzindo medicamentos com alta qualidade, baixo custo e com extrema confiança para os nossos consumidores”, finaliza o diretor de marketing do Laboratório.

Fonte: http://www.revistafator.com.br

Entrevista com Sandra Maia, autora

Amigos leitores do blog “Da Mesa do C.L.O.”, hoje teremos uma entrevista com Sandra Maia, formada em Comunicação, Pós-Graduada em Administração de Marketing, Escritora e Colunista,  autora do livro “O Negócio da Comunicação, do Começo à Ação” publicado pela Ed Qualitymark. Boa leitura.

1-          Sandra, logo no início do livro, você escreve que percepção é igual a verdade. Podemos entender então que percepções variadas geram verdades variadas?

Esse é um tema complexo. Está ligado ao comportamento. Então, sim, de acordo com a percepção, que é de cada um com base na sua referência e história de vida, somados ao que lhe chega pela comunicação, a verdade será só sua. Há um autor que tem uma frase ótima, Mark W. Baker escreve “… apesar de a verdade ser absoluta, nós a percebemos de forma relativa…” Por isso, gosto sempre de afirmar que o conteúdo é sempre de quem lê ou vê. Na comunicação empresarial acontece o mesmo. É preciso por isso ser claro, objetivo e direto todo o tempo. Não deixar espaço para o outro – nesse caso, o cliente – fantasiar. A marca, afinal, está na cabeça do consumidor. Ele a constrói da forma como a entende ou percebe.

2-          “Respirar brand equity” é uma expressão forte. As empresas brasileiras “respiram” o cuidado com a marca?

Muitas organizações já despertaram para essa questão. Temos exemplos recentes, como Gol, TAM, Blue Tree Hotels e uma série de outras organizações que, sim, vivem e trabalham para construir marcas fortes e perenes.

3-          Para desenvolver o projeto do Blue Tree Hotels, você mergulhou nos processos e procedimentos da rede. Qual é a importância de uma operação bem azeitada para a experiência positiva com a marca?

Essencial! Não há como trabalhar a comunicação sem levar junto toda a operação. A marca se constrói em todos os pontos de contato com o cliente. Então, sim, são também responsáveis pela marca o porteiro, o recepcionista, o gerente geral, enfim, todos. Absolutamente, todos em uma organização impactam na imagem e reputação. Nesse sentido, se o conceito global está claro para todos, isso se torna possível. Se não, bem, cada um constrói a marca que quer. No caso específico do Blue Tree, tudo era muito bem orquestrado e o conceito da marca, reconhecido por todos os seus colaboradores.

É claro que nesse contexto entra o papel fundamental de parceiros e fornecedores que precisam também estar imbuídos do conceito que se quer traduzir.

4-          Você cita a Coca-Cola como uma empresa que mantém uma imagem coesa por meio de uma cultura forte. Para você, qual é o elemento fundamental para fortalecer a cultura corporativa?

A comunicação e o relacionamento intrapessoal, ou seja, a equipe, devem ser o ponto central. Qualquer marca ou organização é feita de pessoas. Por isso, tudo deve estar definido claramente – visão, missão, objetivos, pontos fortes e fracos, oportunidades etc. Lembro-me de um executivo que, quando começava a falar da visão de negócio, do sonho, de como seria a organização nos próximos anos, qualquer um da equipe poderia ver o futuro praticamente no ar. Ele possuía esse dom, levava a todos a sonhar com ele um sonho. Comum. Por isso, para mim, comunicação e relacionamento ainda são os pontos-chave da construção de marcas fortes. Depois vem tudo o mais. O conceito, a marca, a logomarca, seus programas, projetos, etc.

5-          A cada dia surgem novas tendências, novos hábitos, novas tribos, numa velocidade cada vez maior. O trabalho de definir públicos-alvo está mais árduo?

Volto a afirmar: “O mais difícil é definir o conceito do negócio. Isso vem primeiro. Por exemplo, vamos construir um restaurante. O conceito será arquitetura contemporânea, ambiente minimalista e cozinha mediterrânea. Acolhimento caloroso e descontraído. Funcionários sempre sorridentes e antenados. O restaurante deve manter sistemas de wi-fi e espaço para bate-papos separado dode serviço, de almoço e de jantar etc. Bom, deu vontade de ir? Pois é, o target fica fácil de ser escolhido quando definimos o conceito. Se o tema é apresentado de forma simples, o cliente certo aparece, a comunicação flui e às vezes nos surpreendemos. Lembro-me de uma vez que, quando lançamos um hotel de categoria econômica com a expectativa de um público x e recebemos um público y, tivemos de rever o tom da comunicação.

6-          Saber olhar-se no espelho com coerência ajuda a manter a marca bem posicionada, certo? Por que boa parte das empresas não consegue realizar essa tarefa a contento?

Olhar no espelho dói. Acontece o mesmo conosco. Por vezes, é complexo mudar o que precisa ser mudado. As transformações vão no âmago, na essência, e, como diz o ditado popular, “crescer dói!”. Pois é, nem sempre as organizações têm a velocidade necessária para a mudança. Então mudam uma coisinha aqui, outra ali… E, então, quando se dão conta, ficaram antiquadras… A mudança então, além de custar muito mais, nem sempre será possível. Há muitas organizações que já aprenderam isso e dão um show no mercado se renovando sistematicamente sem perder a essência. A Nestlé é uma delas.

7-          Você afirma que a escolha dos canais dependerá sempre do perfil do produto, do perfil da marca, do perfil da organização e do segmento de público que se quer atingir. A escolha dos canais tem sido geralmente bem planejada ou imperam as novidades do momento?

Sim. Os canais existem e têm sido os grandes responsáveis pela construção e manutenção de marcas fortes. Ontem mesmo estava conversando sobre isso. Como anunciar um produto que pretende conquistar um posicionamento AA em um outdoor em beira de estrada sem iluminação? É mais ou menos por aí que gira a escolha dos canais adequados. Seja para marketing, seja para comunicação. Ambos constroem marca.

1-          Qual o projeto que você considera inesquecível?

São tantos os projetos que coordenei no decorrer desses anos que é difícil dizer qual o mais querido. São todos inesquecíveis. Todos e cada um com seu grau de dificuldade e conquista. Amo o que faço, e então o projeto inesquecível é o que estou trabalhando neste momento.

2-          Você arriscaria um prognóstico da comunicação corporativa para os próximos anos? Para onde iremos?

Os prognósticos a meu ver são positivos. Precisamos é conscientizar um número cada vez maior de pessoas sobre a importância da comunicação e quanto ela impacta no negócio. Se isso ficar esclarecido, todos ganham em qualidade: os profissionais que estão aí para fazer seu papel e as organizações que rapidamente encontraram seu espaço num mercado veloz e competitivo. A mídia digital está aí para nos mostrar que construir imagem é mais fácil do que mantê-la!

3-          Palavras finais para os leitores do blog “Da Mesa do C.L.O”?

Antes de iniciar qualquer projeto, verifique se o faz com o coração, se tem paixão por aquilo que está fazendo. Daí, comece a conectar todos os pontos. Puxe da memória cases que viu, assistiu e participou. Veja o que mais se adéqua, o que transforma, constrói e posiciona. Depois, siga em frente. Você tem tudo para ser um vencedor! Vale sempre ressaltar, ninguém consegue trabalhar sozinho. A base de relacionamento é ainda a única forma de transformação do ser humano e também de organizações. Nesse sentido, a interação com seus pares e líderes e, as boas relações com parceiros faz toda a diferença. É importante praticar isso todo o tempo. O relacionamento é ainda a chave da comunicação.

O Negócio da Comunicação Do Começo à Ação

O livro apresenta uma visão de bastidores da comunicação corporativa e do dia a dia de seus gestores. De forma prática, faz ver o quanto a comunicação, quando bem orquestrada, impacta positivamente nos resultados do negócio.

A proposta de O Negócio da Comunicação – Do Começo à Ação é contribuir para os negócios e para a comunicação, e mais, ajudar a profissionais, estudantes e empresários a compreender – o que está por trás – como funciona a comunicação corporativa e o quanto ela pode impactar positivamente os resultados.

A importância da atividade de comunicação depende do posicionamento das atitudes do profissional e sua equipe e da credibilidade conquistada com outras áreas da empresa. Evidente que vivemos num momento onde cada dia é um novo dia, com novos desafios, novas ferramentas e novas tecnologias. A comunicação é uma área estratégica e só terá alcance se os profissionais responsáveis por sua gestão possuírem a noção exata da importância que têm.

O livro, narrado em primeira pessoa pela autora Sandra Maia, desvenda os mistérios do cargo, as atribuições do profissional e a forma de atuação. Traz ainda duas grandes novidades: cases de empresas brasileiras e uma ferramenta especial de DIAGNÓSTICO DA COMUNICAÇÃO CONCEITUAL – uma revolução no mercado corporativo e na construção e manutenção de marcas fortes.

Público-alvo: Objetiva instrumentalizar e esclarecer profissionais da comunicação sobre a comunicação coorporativa.

Autora: Sandra Maia é formada em Comunicação, Pós-Graduada em Administração de Marketing, Escritora e Colunista.

Dados técnicos:

Formato: 16x23cm

Preço: R$34,90

ISBN: 978-85-7303-977-1

Nº de páginas:156

http://www.qualitymark.com.br/loja/index.asp

Nuvem de tags