Facilitador e Instrutor. Palestrante, se preciso for…

Posts marcados ‘andragogia;knowles’

5 Princípios da Aprendizagem de Adultos

 

Malcolm Knowles, um pioneiro no estudo da aprendizagem de adultos, observou que estes aprendem melhor quando:

  1. Entendem por que algo é importante para saber ou fazer.
  2. Tem a liberdade de aprender do seu próprio modo.
  3. A aprendizagem é experimental.
  4. O momento da aprendizagem é apropriado.
  5. O processo é positivo e encorajador.

 

Princípio 1: Assegure-se que seus estudantes adultos entendem o “por que”

 A maior parte dos estudantes adultos está na sua sala de aula por vontade própria. Alguns deles estão lá porque tem exigências de educação continuada, de receber um certificado, mas a maioria está lá porque decidiu aprender algo novo.

Este princípio não é sobre por que os estudantes estão na sala de aula, mas sobre por que cada coisa que lhes é ensinada é uma parte importante da aprendizagem. Um bom exemplo está na própria lição que Knowles aprendeu de como fazer picles.

Quando Knowles aprendeu a fazer picles, sua professora e vizinha, Marilyn, explicou:

  • É importante embeber os pepinos na água gelada durante a noite. Isto ajuda a manter os picles consistentes.
  • Se você puser uma toalha embaixo dos jarros no enlatador, eles não saltarão uma contra a outra e não quebrarão.

Você sabe que esta espécie da informação vem da experiência.

 

Princípio 2: Seus estudantes tem diferentes estilos de aprendizagem

Há três estilos de aprendizagem gerais: visual, auditivo, e sinestésico.

Os aprendizes visuais confiam em imagens. Eles amam gráficos, diagramas, e ilustrações. “Mostre-me,” é o seu mote. Eles muitas vezes sentam-se na frente na sala de aula para evitar obstruções visuais e olhar o professor. Eles querem saber com que o objeto parece. O professor pode comunicar-se melhor com eles escrevendo no quadro branco ou flip chart e usando frases como, “você vê como isto funciona?”

Os aprendizes auditivos escutam cuidadosamente todos os sons associados com a aprendizagem. “Diga-me,” é o seu mote. Eles prestarão a atenção ao som da voz e todas as mensagens sutis do professor e participarão ativamente em discussões. É bastante eficaz comunicar-se com eles falando claramente, fazendo perguntas, e usando frases como, “Como isso soa para você?”

Os aprendizes sinestésicos têm de fazer fisicamente algo para entender. O seu mote é “Deixe-me fazer.” Eles confiam nas suas sensações e emoções sobre o que estão aprendendo e como o professor está ensinando. Eles querem tocar de fato no que estão aprendendo. Eles são aqueles que levantarão e participarão de dinâmicas e simulações. A melhor forma de comunicar-se com eles é chamando-os para ser voluntários, permitindo-os praticar o que eles estão aprendendo e usando frases como, “Como você se sente sobre isto?”

A maior parte das pessoas usa os três estilos enquanto estão aprendendo, e naturalmente, desde que temos cinco sentidos, limitando qualquer inabilidade, mas um estilo quase sempre é preferido.

A grande pergunta é, “Como o professor sabe qual o estilo de aprendizagem dominante do estudante?” Sem treinamento na neurolingüística, poderia ser difícil, mas a condução de uma avaliação de estilo de aprendizagem curta no início da sua classe beneficia o professor e os estudantes. Esta informação é tão valiosa para o estudante como é para o professor.

 

Princípio 3: Permita que seus estudantes experimentem o que estão aprendendo

 

A experiência pode tomar muitas formas. Qualquer atividade que envolva seus estudantes torna a aprendizagem experimental. Isto inclui pequenas discussões de grupo, experimentos, simulações, esquetes, criação de modelos – atividades de qualquer espécie. As atividades também mantém as pessoas energizadas, especialmente atividades que implicam em deslocamentos.

Outro aspecto deste princípio é honrar as experiências de vida que os estudantes trazem à sala de aula. O professor deve estar seguro de explorar todo arcabouço de sabedoria sempre que for apropriado, tomando cuidado para ser um bom cronometrista porque as pessoas podem falar durante horas quando contam experiências pessoais, mas com uma facilitação competente todos merecerão as jóias que os estudantes têm para compartilhar.

 

Princípio 4: Quando o estudante está pronto, o professor aparece

 

“Quando o estudante está pronto, o professor aparece” é um provérbio budista cheio de sabedoria. Não importa o quanto o professor tente, se o estudante não estiver pronto para aprender, as possibilidades ficam reduzidas. O que isto significa para um professor de adultos? Afortunadamente, os estudantes estão na sala de aula porque eles querem. Eles já determinaram que o momento chegou.

Faz parte do ofício do professor de adultos perceber cuidadosamente os momentos e tirar proveito deles. Quando um estudante diz ou faz algo que provoque um tópico na aula, o professor deve ser flexível e abordar a questão. Se isto causaria estragos ao planejamento, que é muitas vezes o caso, vale abordar uma pequena porção sobre o tópico antes de dizer que eles terão de esperar até o fim da aula. Até lá, o interesse dos alunos pode acabar.

 

Princípio 5: Estimule os estudantes adultos

 

Para a maior parte dos adultos, estar fora da sala de aula durante até alguns anos pode fazer a voltar à escola algo intimidador. Se eles não entram em uma classe há décadas, é compreensível que tenham algum grau de apreensão sobre com que a experiência lhes parecerá e quão bem eles ficarão. Pode causar resistência ser aluno quando se é perito num campo por muitos e muitos anos. Ninguém gosta de sentir-se tolo.

O ofício de um professor de estudantes adultos inclui ser positivo e a estimulante. A paciência ajuda também, por exemplo, ao dar mais tempo aos estudantes para responder quando se faz uma pergunta. Eles podem precisar de alguns momentos para considerar a sua resposta. Reconhecer as contribuições que eles fazem, mesmo quando são pequenas, dar-lhes palavras de encorajamento sempre que a oportunidade surja. A maior parte dos adultos aumentará suas expectativas se o professor for claro com eles.

Uma palavra de prudência aqui. Ser positivo e estimulante não é o mesmo que ser condescendente. Deve-se lembrar sempre que os estudantes são adultos, falar para eles no tom de voz usado com uma criança é ofensivo, e o dano pode ser muito difícil de superar. O encorajamento genuíno de uma pessoa ao outro, apesar da idade, é um maravilhoso ponto da interação humana.

Este é o desafio de um professor de adultos. Além do ensino dos conteúdos, o professor tem a oportunidade de inspirar confiança e paixão em outro ser humano. Este tipo de ensino modifica vidas.

Anúncios

Nuvem de tags