Facilitador e Instrutor. Palestrante, se preciso for…

Taxonomia de Benjamin Bloom’s – Dominios cognitivo, afetivo, psicomotor  – concepção e kit de ferramentas de avaliação para a formação e aprendizagem


Taxonomia de Bloom, (na íntegra: “Taxonomia de Bloom dos dominios da aprendizagem “, ou a rigor: Taxonomia de Bloom dos Objetivos Educacionais “) foi inicialmente (primeira parte), publicado em 1956 sob a liderança do americano especialista acadêmico e educacional Dr. Benjamin Bloom S . “Bloom’s Taxonomy” foi criado em e para um contexto acadêmico, (o desenvolvimento que se inicia em 1948), quando Benjamin Bloom presidiu uma comissão de psicólogos educacionais, com base na educação americana, cujo objetivo foi desenvolver um sistema de categorias de aprendizagem do comportamento para auxiliar na concepção e avaliação da aprendizagem educacional. A Taxonomia de Bloom tem sido expandido desde há muitos anos por Bloom e outros colaboradores (nomeadamente Anderson e Krathwhol tão recentemente quanto 2001, cujas teorias estenderam o trabalho de Bloom para níveis muito mais complexos do que são explicadas aqui, e que são mais relevantes para o campo da formação acadêmica do que ao treinamento corporativo e desenvolvimento).

Quando indicado, as tabelas Bloom’s Taxonomy são adaptadas e reproduzidas com a permissão de Allyn & Bacon, Boston E.U.A., sendo os editores e proprietários de direitos autorais de “Taxonomia de Objetivos Educacionais” (Bloom et al 1956).

A maioria dos facilitadores das empresas e profissionais de RH, técnicos e professores, irá beneficiar-se significativamente simplesmente compreendendo os fundamentos da Taxonomia de Bloom, como apresentado abaixo.

A Taxonomia de Bloom foi criado principalmente para o ensino acadêmico, no entanto, é relevante para todos os tipos de aprendizagem.

Curiosamente, no início, Bloom acreditava que a educação deve concentrar-se no “domínio” dos indivíduos e da promoção de formas superiores de pensamento, ao invés de uma abordagem utilitarista simplesmente transferindo fatos. Bloom demonstrou há décadas que a maioria dos sitemas de ensino tendeu a centrar-se na transferência e recuperação de informação – o menor nível de formação – ao invés de desenvolvimento do verdadeiro significado pessoal, e este continua sendo um desafio central para educadores e formadores em tempos modernos. Muitos treinamentos corporativos também são limitados a transferência de conhecimento não-reflexivo, insensível, (todas as apresentações do PowerPoint chatas …), o que é motivo para considerar a amplitude e a profundidade de abordagem exemplificado no modelo de Bloom.

Desenvolvimento da Taxonomia de Bloom

Benjamin S Bloom (1913-99) graduou-se na Universidade Estadual da Pensilvânia, em 1935. Juntou-se ao Departamento de Educação da Universidade de Chicago em 1940 e concluiu um doutorado em Educação em 1942, período em que ele era especialista em análise. Aqui ele conheceu seu mentor Ralph Tyler com quem começou a aprimorar suas idéias para o desenvolvimento de um sistema (ou ‘taxonomia’) de especificações para permitir a formação educacional e objetivos de aprendizagem a ser planejado e medido corretamente – melhorar a eficácia do desenvolvimento de “domínio” em vez de simplesmente transferir para recordar fatos irracionais. Bloom continuou a desenvolver a aprendizagem através do modelo de Taxonomia de 1960, e foi nomeado Charles H Swift Distinguished Service professor em Chicago em 1970. Ele atuou como consultor em educação para vários governos estrangeiros, incluindo de Israel e da Índia.

A atenção inicial de Bloom (e dos seus colegas ‘) estava voltada para o ” Dominio Cognitivo”, que foi publicado na primeira parte da Taxonomia de Bloom, apresentado na publicação: “Taxonomia de Objetivos Educacionais: Manual, do domínio cognitivo” (Bloom, Engelhart, Furst, Hill, Krathwohl, 1956).

O ‘Taxonomy of Educational Objectives: Handbook II, The Affective Domain “(Bloom, Masia, Krathwohl) como o título indica, lida com os detalhes do segundo domínio, o “Domínio Afetivo”, e foi publicado em 1964.

Várias pessoas sugeriram detalhes para o terceiro domínio, o “Dominio Psicomotor ‘, O que explica por que esse domínio varia das diferentes representações do processo completo da Taxonomia de Bloom. As três versões mais popularmente referenciadas do domínio psicomotor parecem ser os de RH Dave (1967/70), EJ Simpson (1966/72), e AJ Harrow (1972).

Como tal, a ” Taxonomia de Bloom” descreve a estrutura em três domínios, em que os detalhes podem variar, especialmente para o domínio de terceiros.

A Taxonomia de Bloom, portanto, desde 1956 forneceu uma base para as idéias que foram utilizadas (e desenvolvidas) em todo o mundo por acadêmicos, educadores, professores e formadores, para a elaboração de materiais pedagógicos de avaliação, e também forneceu a plataforma para sua completa (incluindo os detalhes para o terceiro domínio, o Psicomotor) como a vemos hoje. Coletivamente estes conceitos que compõem o conjunto da Taxonomia de Bloom continuam a ser úteis e muito relevantes para o planejamento e desenho de: materiais escolares, e universitários,  para cursos de treinamento corporativo, de ensino, planos de aula e de aprendizagem, mas também para servir como um modelo para a avaliação de: formação, ensino, aprendizagem e desenvolvimento, dentro de cada aspecto da educação e da indústria.

Explicação da taxonomia de Bloom

Taxonomia  significa conjunto, “um dos princípios de classificação ‘, ou’estrutura’, e Domínio significa simplesmente “categoria’. A Taxonomia de Bloom sustenta o clássico “Conhecimento, Habilidades e Atitudes”. A estrutura do método de aprendizagem e avaliação da Taxonomia de Bloom, e o modelo de  Kirkpatrick de avaliação de aprendizagem, continuam a ser os sistemas mais usados do seu gênero na educação especial, e também na indústria e treinamento corporativo. É fácil perceber porquê, já que são modelos tão simples, claros e eficazes, tanto para a explicação e aplicação de objetivos, métodos de ensino e formação, quanto na medição de resultados de aprendizagem.

A Taxonomia de Bloom oferece uma excelente estrutura para planejamento, projeto e avaliação da formação e a eficácia da aprendizagem. O modelo também serve como uma espécie de checklist, pelo qual você pode assegurar que a formação está seguindo a realização prevista de todo o desenvolvimento necessário para estudantes, estagiários e aprendizes, e um modelo pelo qual você pode avaliar a validade e cobertura de qualquer formação existente, seja ele um curso, um currículo ou uma todo o programa de formação e desenvolvimento para uma grande organização.

O fascinante modelo Bloom’s Taxonomy (1956/64) e Modelo de Kirkpatrick de avaliação da aprendizagem (1959) permanecem como modelos de referência clássica e ferramentas para o século 21. Isso ocorre porque conceitos como Taxonomia de Bloom, o modelo de Kirkpatrick, Hierarquia de Necessidades de Maslow,  Teoria X eY Mcgregor, a Análise SWOT , e a teoria da Análise Transacional de Berna , para citar alguns exemplos, são atemporais, e como tal serão sempre relevantes para a compreensão e desenvolvimento de pessoas e organizações.

Referências:

  • Taxonomy of Educational Objectives: The Classification of Educational Goals; pp. 201–207; B. S. Bloom (Ed.) Susan Fauer Company, Inc. 1956.
  • A Taxonomy for Learning, Teaching, and Assessing — A Revision of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives; Lorin W. Anderson, David R. Krathwohl, Peter W. Airasian, Kathleen A. Cruikshank, Richard E. Mayer, Paul R. Pintrich, James Raths and Merlin C. Wittrock (Eds.) Addison Wesley Longman, Inc. 2001
  • “Taxononmy of Educational Objectives. Handbook II: The affective domain; Krathwohl, D. R., Bloom, B. S., Masia, B. B.; 1964.
About these ads

Comentários em: "Taxonomia de Bloom – domínios de aprendizagem" (9)

  1. Benildes Maculan disse:

    Olá!
    Gostei muito de sua explanação sobre o assunto.
    Gostaria que me indicasse, por favor, artigos nos quais eu pudesse encontrar o conceito (definição) sobre o que é “domínio”. Obrigada!

  2. Mais uma vez gostaria de elogiar a excelente qualidade dos textos produzidos. São exclarecedores e bem escritos.
    Parabéns!

  3. Ercilia maria de feritas disse:

    Claudio estive te visitando e fiz excelente pesquisa com seu material. Obrigada

  4. ercilia maria de freitas disse:

    Cláudio, a taxonomia discute os objetivos educacionais em três partes: cognitiva, afetiva e psicomotora. qual a rêlevancia desses aspectos para o desenvolvimento de aprendizagem? ( é urgente )

  5. Jane Célia Rodrigues disse:

    Estou preparando um trabalho para uma pós, o tema: Avaliando a aprendizagem no domínio afetivo. Esse assunto para mim é muito novo.
    Gostei muito do seu texto mas, preciso fixá-lo e entende-lo melhor. Por gentileza me responda: Quantos domínio são? O dominio afetivo é um dos dominios? Ele serve para avaliar o aluno como?

    • Olá Jane, como vai? Veja a resposta, direto da wikipedia:

      A taxonomia dos objetivos educacionais, também popularizada como taxonomia de Bloom, é uma estrutura de organização hierárquica de objetivos educacionais. Foi resultado do trabalho de uma comissão multidisplinar de especialistas de várias universidades dos EUA, liderada por Benjamin S. Bloom, na década de 1950. A classificação proposta por Bloom dividiu as possibilidades de aprendizagem em três grandes domínios:

      – o cognitivo, abrangendo a aprendizagem intelectual;

      – o afetivo, abrangendo os aspectos de sensibilização e gradação de valores;

      – o psicomotor, abrangendo as habilidades de execução de tarefas que envolvem o organismo muscular.

      Cada um destes domínios tem diversos níveis de profundidade de aprendizado. Por isso a classificação de Bloom é denominada hierarquia: cada nível é mais complexo e mais específico que o anterior. O terceiro domínio não foi terminado, e apenas o primeiro foi implementado em sua totalidade.

      Para saber mais: http://pt.wikipedia.org/wiki/Taxonomia_dos_objetivos_educacionais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: